sábado, 3 de setembro de 2016

Projeto Encontro com a Cultura Popular Brasileira: Oficinas Tocar-Cantar-Dançar a Riqueza da Cultura Brasileira


As oficinas de ritmos, canções e danças brasileiras proporcionam aos participantes a rica experiência de tocar, cantar e dançar. Na cultura popular brasileira o artista desenvolve essas três habilidades conjuntamente, não se separa a música da dança; muito pelo contrário, uma arte valoriza a outra. A atividade formativa é aberta a todos os interessados, sem necessidade de experiência prévia. As oficinas acontecem no sábado e no domingo os participantes poderão fazer parte de uma apresentação de percussão, canto e dança em uma praça da cidade.

O trabalho com a percussão e cantos conduzido por Tonico de Ogun tem como objetivo promover a sensibilidade musical através da vivência de ritmos populares brasileiros. Propõe-se um diálogo entre os participantes e seus instrumentos, na intenção de trabalhar o que cada ritmo representa. São praticados exercícios de coordenação motora, percepção rítmica e harmônica. A primeira oficina contempla os ritmos de ciranda, coco de roda e samba de pareia; já a segunda é de maracatu, afoxé e lambe sujo-caboclinho. A experiência do professor é bem abrangente em termos de ritmos afro-brasileiros e no particular aqueles que fazem parte da cultura sergipana. Nas oficinas os participantes também podem explorar possibilidades de construção de instrumentos de percussão a partir do reaproveitamento de materiais recicláveis como latas, tubos de PVC, canos, baldes, garrafas pet, panelas, tampas de panelas, ferro velho e sucata em geral. Assim como a arte da música transforma a vida das pessoas, a reutilização de materiais dá vida aos objetos, aproximando cada vez mais as pessoas da prática instrumental.

Na segunda parte de cada oficina os ritmos que foram vivenciados através de instrumentos de percussão e cantos serão dançados pelos participantes. Este trabalho será conduzido pela professora Vanessa Carraro, com percussão ao vivo executada por Tonico de Ogun. O ensino das danças brasileiras contempla  tanto aspectos teóricos como a origem, a transmissão e a contextualização de tais manifestações populares, quanto sua articulação prática com a percussão.  Nas Cirandas desenvolvem-se movimentos de translações, variações de passos e suas dinâmicas, bem assim a percepção do compasso das músicas. Já no Samba de Coco a dança explora os repiques dos pés e marcações de tempo, trupes (sapateados), Coco individual, de par, de umbigada e de roda.

INSTRUTORES

Tonico de Ogum


Nascido na capital sergipana Aracaju, teve seu primeiro contato com a música aos oito anos de idade através de seu pai. Começou seus estudos de música, dança e teatro por volta 1995, participando de grupos locais como Imbuaça e Grupo Quilombo. Integrou o projeto instrumental A Membrana, regido pelo mestre Pedrinho Mendonça, onde começou sua trajetória profissional.    Músico percussionista profissional, educador, pesquisador da cultura popular brasileira, divulgador da cultura negra sergipana, é também integrante de afoxés e de grupos culturais. Coordena práticas rítmicas em comunidades quilombolas (Projeto Mulungada) e penitenciárias (Penart). Atua como facilitador em escolas e na socialização de jovens de rua através da criação de instrumentos com materiais recicláveis.             Sua musicalidade provém do universo cultural popular sergipano e afro- brasileiro, passando por ritmos como Samba de Coco, São Gonçalo,  Samba de Pareia, Lambe Sujo e Caboclinho, Maracatu do Brejão, Pisa Pólvora, Cacumbi, Taireira, Batucada, Chegança, Marujada, Xote, Baião, Xaxado, Capoeira de Angola, Ijexá e Nagô.

Vanessa Carraro


Professora, historiadora e dançarina. Iniciou-se na arte da dança aos seis anos de idade, passando pelo Ballet Clássico e Jazz Dance. Em 2009 participou de cursos e coreografias de Dança Contemporânea. Graduou-se em Dança na Universidade Federal de Sergipe, oportunidade em que pesquisou as manifestações populares brasileiras. Integrou a Cia. Contempodança de Aracaju/SE, voltada à investigação da cultura popular brasileira, em especial a sergipana. Ministra regularmente aulas de danças brasileiras, dança criativa, dança contemporânea e Jazz Dance. Coordena o grupo de dança do Maracatu Baque dos Bugres de Caxias do Sul.

Datas:
08/10/2016 – Sábado -  Oficina de Ciranda, Coco de Roda e Samba de Pareia

22/10/2016 – Sábado – Oficina de Maracatu, Afoxé e Lambe Sujo-Caboclinho.  

Duração de cada oficina: 6 horas

Horário: 08:30 às 12 horas e das 13:30 às 16:30 horas.

Local: Teatro do Encontro, Rua Ernesto Alves, 143, Caxias do Sul, RS, Brasil

Preço por oficina: R$ 120,00 ou 100,00 para inscrições até 16/09/2016

Preço de 02 oficinas até 16/09/16: R$ 160,00

Informações e inscrições: teatrodoencontro@gmail.com

Nenhum comentário: