quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Sobre o processo de patrimonialização do Sururu em Alagoas - Resumo Prático



Por: EDITORIAL do Jornal Gazeta de Alagoas do dia 11 de dezembro de 2014.



Caderno B do Jornal Gazeta de Alagoas do dia 21 de dezembro de 2014 - Por Larissa Bastos



Documento referencial enquanto etapa parcial e avaliativa do processo de patrimonialização do bem cultural imaterial do estado de Alagoas, o Sururu, em acordo com a Lei Estadual 7.285 de 30 de Novembro de 2011, proposto pelos pesquisadores Edson José de Gouveia Bezerra e Ernani Viana da Silva Neto, aceito pelo Conselho de Cultura do Estado de Alagoas em 10 de junho de 2014 no MISA – Museu da Imagem e do Som de Alagoas.


BEM CULTURAL: APROVADO POR UNANIMIDADE, SURURU TORNOU-SE PATRIMÔNIO IMATERIAL DE ALAGOAS
SURURU É FINALMENTE RECONHECIDO COMO PATRIMÔNIO IMATERIAL DO ESTADO.


SURURU É REGISTRADO COMO PATRIMÔNIO IMATERIAL DO ESTADO DE ALAGOAS - Pedido foi aprovado por unanimidade pelo conselho estadual de cultura



Blog com mais informações sobre o processo, disponibilidade do ensaio que deu origem a proposta de patrimonialização do sururu e os demais dossiês do patrimônio imaterial alagoano. 




Self de Cadú Ávila, com Maria do GUESB - AL nos servido um bom caldo de Sururu.

Em sentido anti-horário: Edson Bezerra, Sávio de Almeida, Dirceu Lindoso, Jairo Campos, Ismélia Balduce, Paulo Poeta, Ernani Viana e universitários no lançamento do livro - Manifesto Sururu: Uma antropofagia das coisas alagoanas. 
Postar um comentário