terça-feira, 30 de julho de 2013

Esta estranha dualidade...



"E só quando estamos em nós
estamos em paz
mesmo que estejamos a sós."

Paulo Leminski - Contranarciso



Noite alta, lua cheia, sob a onírica e desértica geografia vinha o caminhante.

Andava ha menos de 40 dias e trazia em sua bolsa pão cevado e um cantil.

Surpreendido ao avistar um estranho ser que aparece no descer do morro, não pressente perigo e continuou avançar.

Ao chegar perto o ser avisa ao andarilho que só poderia continuar em sua viagem após responder-lhe três perguntas. Não havia encontrado o Diabo, mas um desafiante tão perspicaz quanto.

Concorda com a proposta e a criatura o questiona:

-Quem és? De onde vens? Pra onde vais?

- Porque não perguntas como estou? Por onde e pelo que passei até chegar aqui? – retruca

- Não é relevante, sei que fosses capaz de chegar até aqui independente das circunstâncias. E o mais importante, se sabes quem és, sempre estarás bem.

Sobressaiu-lhe um sorriso desconfortável e tímido por sentir-se obrigado a concordar. Ainda assim, não queria deixar barato o bom embate sem a devida resposta.

Pediu um tempo pra pensar...e respondeu.

- Venho de muitos lugares desde que sai do ventre da minha mãe.  Ao me dar à luz, gritei de dor ao abrir os pulmões e desde então não sei mais o que é conforto. Vim de um útero e busco outros que o simbolizem e me comportem por um tempo. Serei uma nova criança a cada nova experiência, amadurecerei nela e me prepararei novamente para tornar-me infante em outro conjunto de circunstancias.  Vim da escuridão para iluminar-me. Sou o que descobri. Sou o conjunto de tudo que não mais sou, o que deixei de ser. Eu Sou o durante que estou sendo, combinando constantemente esta estranha dualidade. - Respondeu surpreso, pois não sabia que pensava assim.

O Ser, gostando do que ouviu, fala:

- Tens salvo conduto. Quanto mais próximo da luz estiveres, mais densa será a sombra projetada por tí. Não tema conhecer sua pior parte. Controle-a, essa é a sua missão. A flecha precisa do alvo para existir. Contrários e complementares assim o são.

O caminhante partiu sem mais desconfiar da sombra que sempre o acompanhara.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Nos idos de 2006 em BSB


Organizando minha vida acadêmica e profissional neste final de semana, deparo-me com o relatório de estágio que desenvolvi quando estive em Brasilia – DF no ano de 2006. Não tive como não ser inundado das lembranças de todo o processo de seleção e ida para EMBRATUR e bem feliz em saber que turma de 2006 estão muito bem situados em suas profissões. Mais feliz ainda em reler a avaliação que tive de Vitor Cid, na época Gerente da Coordenação Geral de Segmentação e Produto, subornada a Diretoria de Turismo Lazer e Incentivo sob a chefia do Ronnie Schroeder. “O estagiário Ernani Viana da Silva Neto, além da boa formação acadêmica na área de turismo, trouxe para esta gerência sua formação pessoal humanista que muito contribuiu para o cumprimento das tarefas a ele designadas e cumpridas com total êxito. Com certeza está preparado para enfrentar os desafios que se apresentarem em seu futuro profissional.”

Disponibilizei o relatório no Academia.edu, para acessá-lo clique aqui. Sobre o programa de estágios da EMBRATUR acompanhar disponibilidade de vagas neste link  
 http://www.turismo.gov.br/turismo/editais/concursos/


terça-feira, 9 de julho de 2013

Serranas





Treze

Forço uma poesia
Mas só sai isso
Quatorze palavras e um ponto . Pronto!

Para Amiel e Carlos Castañeda

As vezes a vida dá o pão que Deus mandou o Diabo amassar .
Como receber uma hóstia sagrada, tem função ritual e vem na hora da mudança.
Não se partilha. Não há celebração.
A comunhão é a sua contigo mesmo.
Diferente do polvilho, a massa vem crua e assa dentro de ti.
Ao sobreviver, não serás mais o mesmo.
E tudo será fantástico...

Forte, Leve

Tão forte, tão leve...
O bailar dos seus passos
Oculta o ataque de uma felina
Desnuda apenas seu charme com faiscantes chamas

Meus desejos a prendem sem garras,
Sem presas, sem pressa...
Como pólos opostos de um imã
Uniremos nossas peles
E nem os raios partirão...

Sol em mim

Sempre torço pelo extraordinário em dias frios.
Desejo que invade subitamente ao ver na janela o trailer do dia que me aguarda.
Não poder ser uma mera surpresa.
Não seria suficiente para tirar minha sisudez, minha seriedade...
Não ameaçaria aquecer nem a ponta dos meus dedos.

Apesar de pedirmos, nunca cremos que um dia venha de verdade...
Mas ele vem...

Hoje meu extraordinário surgiu em tecidos escarlates.
Com o olhar filtrado pela iris esverdeada e cabelos que pareciam suaves no embalar da rudeza dos ventos.
Percebeu-me longe e sorriu.
Antes do abraço anunciou meu nome
Pôs um cristal de rara luz em meu peito
Acendendo a potencia do Sol em sua despedida...

Pessach

Gosto dos simbolismos das datas religiosas, da semana santa em especial. Ainda mais na época em que vivemos, um papa jesuíta adotando nome de Francisco, sinalizando que o tempo da ostentação não cabe mais nos dias de hoje, acredito que esta postura irá servir de modelo para ações cotidianas com o passar do tempo.

Páscoa significa passagem. Passagem do inverno para primavera no hemisfério norte. Passagem do anjo da morte ceifando os primogênitos do Egito, passagem pela abertura do mar vermelho, passagem da morte para vida, na leitura ressurrecional de Cristo. Seu martírio aconteceu durante as celebrações pascais.

Interessante perceber essa lua cheia que temos apreciado, é a lua de Áries que indica um novo ciclo astrológico em curso. Quando Moisés quebrou o bezerro de ouro depois de ter descido o monte com os dez mandamentos, indicava o fim da era de touro e o início da era de aries. Enfim, época de encerrar fases e iniciar outras novas. Não imaginem ser um período só de ovos de chocolate disponíveis no mercado.

Claro que é bom presentear e ser presenteado, mas junto a isso deseje de todo coração votos de renovação a todos seus queridos! Como próprio Cristo afirmou, “se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, dará muito fruto”

Feliz Páscoa, Feliz Renovação do Espírito!


Primeira estação serrana

Hoje faz 3 meses em que cheguei a uma nova e empolgante realidade no sul do País. Lembro bem da data por ser o primeiro dia do outono e a cores dos plátanos já começavam a mudar, dando um colorido bem especial a paisagem da cidade e as minhas perspectivas no Mestrado que iniciava. Iniciando o inverno posso dizer que passei uma estação inteira e posso tecer alguns poucos comentários sobre minhas impressões nestas paragens:

Como é a o estado mais ao sul do Brasil, normal sentirem-se os menos integrados, pode perceber que a moeda que circula no estado não é o REAL é o “PILA”...rs...

O “Bah” realmente é a expressão mais polivalente do País, tem que entender todo o contexto em que ela é dita, inclusive as feições , semelhante a linguagem de sinais. O “Bah” oscila entre o maravilhamento ao total escárnio.

Dependendo da região em que estejas no Rio Grande percebe-se comportamentos característicos. Me diziam que na Serra, durante os dias de frio ninguém sorri pra você. E senti na pele o porquê, o frio fere lábios e bochecha, capaz de descer uma lágrima logo após a tentativa.

Na serra os “gringo” falam “pôn” (pão), “Portôn”(porta), “botôn” (Botão) e por ai vai...

A riqueza de culturas que há neste País é um verdadeiro milagre, apesar de tantos problemas ainda por resolver, unir tanta diversidade sob uma mesma idéia de Nação, sob um mesmo Hino, uma mesma língua que falando devagar todos se entendem. Vamos que vamos, para uma nova estação e o inverno está chegando. brrrrrrrrrrr...

quinta-feira, 4 de julho de 2013

SEDA Caixas do Sul - RS 2013


#PósTv - SEDA Caxias do Sul - RS 2013.

Mesa Redonda: Formação de Público para o Cinema. 

Para assistir clicar na imagem








Caderno 3por4 do Jornal O Pioneiro do dia 02 de Julho de 2013