sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Curso Gratuito de Formação Cineclubista em Arapiraca com Hermano Figueiredo - Vagas Limitadas!


Curso Gratuito de Formação Cineclubista em Arapiraca
com Hermano Figueiredo


Cineclube é uma associação de pessoas que criam e estimulam momentos de exibição, apreciação e problematizam sobre obras cinematográficas.

Fomentar o desenvolvimento de cineclubes é estimular a capacidade criativa das pessoas envolvidas, estimulando proposições que intervenham positivamente na cultura e auxiliar na solução de problemáticas, compreendendo assim outras formas de ver o mundo.

Visamos a preparação de pessoas que venham a desenvolver cineclubes na cidade de Arapiraca, subsidiando de informações e técnicas os possíveis corpos gerenciais para manutenção desta atividade constantemente em comunidades, escolas, universidades e diversos locais públicos aonde a criatividade venha se manifestar.

Conteúdo Programático

O que é cineclubismo?
Conceituação e histórico;
O papel do movimento cineclubista na sociedade;
Lutas, bandeiras e perspectivas.

Cineclube
Formas de organização e funcionamento.

A abordagem analítica de filmes
Estética, mensagem e narrativa;
Contextualização histórica e cultural de obras cinematográficas;
Estimulando o debate;
A habilidade de programar.

Breve histórico de uma longa história
A reprodução/representação da imagem. Das pinturas rupestres ao holograma;
O surgimento da fotografia e o impacto sobre as artes plásticas;
Da lanterna mágica ao cinematógrafo;
Dos irmãos Lumiére ao nascimento de uma linguagem.

A sintaxe cinematográfica
Características fundamentais da imagem fílmica;
Tipos de planos;
Os movimentos de câmera;
Os ângulos de filmagem;
Enquadramento e profundidade de campo;
A construção da narrativa - Dimensão simbólica do filme;
Metáforas e símbolos. 

A estética do Documentário
Abordagem, o tratamento do tema;
Roteiro – Um ponto de partida;
A opção narrativa.



Hermano Figueiredo

Liderança do movimento cineclubista brasileiro, Hermano começou suas atividades organizando sessões de cinema de arte em 1970, no Recife/PE. Numa espécie de olho no olho, e corpo a corpo com o público, faz um trabalho político e performático que chama atenção para a necessidade de canais de difusão para o audiovisual brasileiro. Sua marca é exibir em suportes inusitados, onde expressa uma estética que interage, seduz platéias e provoca reflexão. Hermano também é diretor dos curtas São Luís Caleidoscópio, Choveu e Daí?, O que vale no Vale, A última feira, e das médias-metragens Mirante Mercado, Calabar e Lá vem o Juvenal! Sua última realização foi a iniciação em ficção com o curta Um Vestido para Lia onde divide a direção com Regina Célia Barbosa.

Realização:

Prefeitura Municipal de Arapiraca
Secretaria Municipal de Turismo e Cultura de Arapiraca
Ernani Viana Projetos Culturais

Apoio:

Projeto Filme de Quinta
Cine Primavera
Barracão Cine Clube
Saudáveis Subversivos
Ideário

Serviço

Oficina Gratuita de Formação Cineclubista em Arapiraca

Dias: 10 e 11 de Dezembro de 2011
Horário: 08h às 18h
Local: Auditório da Secretaria Municipal de Turismo e Cultura de Arapiraca
Inscrições: 82 3521 5313

Vagas Limitadas!

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Antiga Maceió



Bellavista Palácio Hotel - Atual Prédio do INSS em frente a Praça dos Palmares - Centro


Para conhecer uma Maceió que há muito não existe mais. Baixem*, descubram o que já foi nossa cidade e divulguem para os amigos. 

*Basta clicar nas imagens


Galeria de Fotos - Maceió Ontem



Histórico - Maceió Antigo




Jaraguá e Bebedouro


Maceió - bondes




Origem de Maceió


Bairros Diversos

Centro



Prado e Levada


Gogó da Ema


Ponta Verde e Farol

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Uma crítica para a crítica


Não há relação tranqüila entre artista e crítica especializada. Do mesmo modo que esta pode servir de instrumento para alavancar a carreira de alguém, esta pode acabar com a de outras. Enquanto houver indústria cultural haverá alguém dando seu “pitaco” sobre o que se deve ouvir, ler, assistir, orientando seu olhar e influenciar em sua percepção, ainda que seja uma inocente dica. Logo abaixo está um relato de Zé Ramalho e sua experiência com os críticos de sua obra. No fim, tirem suas próprias conclusões.