domingo, 17 de setembro de 2017

Semana Municipal do Turismo de Caxias do Sul - 2017




A Secretaria Municipal do Turismo (Semtur) realiza a Semana Municipal do Turismo 2017 de 25 a 29 de setembro com o tema “Turismo Caxias: desvendando potencialidades”. O objetivo é despertar um novo olhar turístico para Caxias do Sul, valorizando a união de três grandes forças para o sucesso no desenvolvimento: o poder público, a iniciativa privada e a comunidade.

A edição de 2017 traz novidades. Entre elas, a descentralização das atividades, que ocorrem na Universidade de Caxias do Sul e no Centro de Cultura Ordovás. A comunidade está convidada a participar de palestras sobre a importância de políticas públicas, gastronomia, cultura, identidade e diversidade que envolvem o turismo em Caxias do Sul.

Uma exposição das fotografias participantes do Concurso Fotográfico Turístico - 8º Clic também integra a Semana, assim como um Free Tour, passeio gratuito a pé, nos arredores da Praça Dante Alighieri e na Igreja São Pelegrino.

Inscrições pelo site: http://bit.ly/2xAUpt4

PROGRAMAÇÃO COMPLETA:

Segunda-feira (25/09/2017)
Local: Bloco 46 - UCS

19h:
• Abertura oficial da Semana Municipal do Turismo de Caxias do Sul 2017;
• Abertura da exposição do Concurso Fotográfico Turístico – 8º Clic.

UM NOVO OLHAR PARA O TURISMO DE CAXIAS DO SUL

20h:
• Palestra: “Gestão e Conhecimento em Destinos Turísticos” - Prof. Me. Michel Bregolin I UCS;
• Apresentação do estudo dos dados do fluxo de turistas em Caxias do Sul – Secretária do Turismo Turª Renata Aquino Carraro.

ATRAÇÃO CULTURAL: Ária Trio


Terça-feira (26/09/2017)
Local: Sala Florense/Bloco M - UCS

A IMPORTÂNCIA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A GESTÃO DO TURISMO

18h30:
• Palestra: “Os benefícios tributários no campo do turismo” - Prof. Me. Jefferson Roberto Panarotto | UCS.

20h30:
• Palestra: “O Plano Diretor e as Zonas de Interesse Turístico de Caxias do Sul/RS” - Secretário Municipal do Planejamento – Fernando Mondadori, Diretora da Coordenadoria de Planejamento e Gestão Territorial da Secretaria de Planejamento de Caxias do Sul - Rosana Guarese, e Diretor de Planejamento da Secretaria Municipal do Turismo de Caxias do Sul - Enzo Calabró.


Quarta-feira (27/09/2017) - DIA MUNDIAL DO TURISMO
Local: Sala de Cinema Ulysses Geremia - Casa de Cultura Ordovás

10h às 17h:
• Free Tour no Centro da Cidade - Praça Dante Alighieri com Associação dos Guias de Turismo de Caxias do Sul;
• Free Tour na Igreja São Pelegrino com Associação dos Guias de Turismo de Caxias do Sul.

19h:
“GASTRONOMIA: TRADIÇÃO E INOVAÇÃO EM CAXIAS DO SUL”

• Mesa redonda mediada pela Prof. Dra. Susana de Araújo Gastal, com a participação da Prof. Me. Rosana Peccini, do Sr. Orivaldo Zanotto, sócio-proprietário da Galeteria Alvorada, do Arthur Calderaro, proprietário do Fontana Burguer e de Marcos Felippi, proprietário da Felippi’s Lanches.

ATRAÇÃO CULTURAL


Quinta-feira (28/09/2017)
Local: Bloco 46 - UCS

19h:
“AFINAL, QUAL É A NOSSA IDENTIDADE?”

• Bate-papo com Prof. Dra. Susana de Araújo Gastal e Prof. Dr. Caetano Sordi, ambos da Universidade de Caxias do Sul.


Sexta-feira (29/09/2017)
Local: Sala de Cinema Ulysses Geremia - Casa de Cultura Ordovás

TURISMO E SUA DIVERSIDADE

14h:

16h:
• Bate-papo: “TURISMO DE EVENTOS: COMO FUGIR DA SAZONALIDADE” com a presença de Guilherme Martinato, fundador e idealizador do Bloco da Velha e de Toyo Bagoso, criador e organizador do Mississipi Delta Blues Festival.


Venha desvendar Caxias. Participe!

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Áudio da palestra: "O QUE GANHAMOS COM A CULTURA?"


Realizada no dia 5 de setembro de 2017, às 20h, no UCS Teatro.


Captação: Ernani Viana Neto


Nuccio Ordine é professor de Literatura Italiana na Universidade da Calábria, pesquisador do Centro Italiano para Estudos da Renascença Italiana da Universidade de Harvard, da Fundação Alexander von Humboldt e professor convidado em diversos institutos e universidades nos Estados Unidos e na Europa.

Reconhecido internacionalmente como um dos mais importantes pesquisadores da obra de Giordano Bruno, escreveu três livros sobre esse grande filósofo italiano do Renascimento: "A cabala do asno", "O umbral da sombra" e "Contra o evangelho armado". Escreveu também "Teoria do riso e teoria da novela no século XVI", "Três coroas para um rei (sobre Henrique III)", "Clássicos para a vida" e "A utilidade do inútil", que teve lançamento, na Universidade de Caxias do Sul, em março de 2016, durante conferência do autor sobre "A utilidade dos saberes inúteis". No Brasil, Nuccio Ordine dirige com Luiz Carlos Bombassaro a edição das Obras Italianas de Giordano Bruno, publicadas pela EDUCS

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Oficina: Turismo Literário – Percursos e Trajetos em Cidades Narradas


Agosto e setembro de 2017
Ernani Viana da Silva Neto[1]

O passado do viajante muda de acordo
com o itinerário realizado.”
Ítalo Calvino | As Cidades Invisíveis - 1972

Existe uma série de estudos que se dedicam a mensurar as motivações turísticas. Segundo esses, as razões desta modalidade de consumo, no destino desejado, variam entre as mais hedonistas as mais puras simbolizações. Nesse contexto, há uma organização na oferta de produtos e serviços turísticos voltados para os mais variados perfis e estilos pessoais. Dentre esses há um, em especial, que possuem características que moldam o que hoje conhecemos como Turismo Cultural[2]. A especificação, segundo Barreto (2007)[3], do agente que estrutura e movimenta este setor é o Turista Cultural. Este agencia sua própria viagem a partir dos aparelhos de tecnologias digitais que possuem acesso a informações online, realiza trocas com a população, em especial seus artistas locais, visita equipamentos e instalações culturais e, normalmente, evita os atrativos mais badalados por considerar-se diferenciado das massas.

Entre os nichos que compõem o segmento do Turismo Cultural encontra-se o Turismo Literário[4]. A Literatura pode ser entendida, também, como uma expressão da Cultura. A partir dela, pode vincular-se aos gestos, as relações e os sentidos de um lugar que não o seu de residência. A obra literária, ao ser tomada enquanto um recurso cultural (YUDICE, 2004)[5] esta pode ser, por excelência, a mediadora entre a exposição do autor e suas influências, a fruição do leitor e a construção dos percursos de uma cidade narrada. Neste sentido a viagem consuma a relação ficção- realidade que o Turista-Leitor (SIMÕES, 2002)[6] povoou em seu imaginário enquanto Leitor-Turista.

Mediante o exposto a Oficina de “Turismo Literário– Percursos e Trajetos em Cidades Narradas” irá abordar obras que constituíram um sentindo de Brasil, a partir do olhar dos Viajantes, que influenciaram o velho e o novo continente por estas narrativas. Como a figura do Flâneur migra para o atual Turista Cultural e/ou Viajante. Como são elaborados as rotas e os roteiros literários no Brasil e no mundo e as possibilidades destas ações em Caxias do Sul e Região.

PROGRAMAÇÃO

MÓDULO I

07 DE AGOSTO: O que é Turismo Literário?/ Grand Tour: Origens e Desdobramentos.

14 DE AGOSTO: Brasil e o Rio Grande do Sul na Literatura dos Viajantes

21 DE AGOSTO: Flâneur, Dândis e o Turista Cultural: Por Walter Benjamim, Charles Baudelaire, Edgard Allan Poe e Gustav Flaubert.

28 DE AGOSTO: Turismo Literário no Velho Continente.

MÓDULO II

04 DE SETEMBRO: Rotas e Roteiros Literários do Novo Mundo; A Maceió da Angústia de Graciliano Ramos / Entre o Povo e a Paisagem em Calabar de Lêdo Ivo.

11 DE SETEMBRO: Elaboração de Rotas Literárias / João do Rio e a Alma Encantadora das Ruas / Exercícios

18 DE SETEMBRO: Percursos pela região: O Quatrilho de José Clemente Pozenato; a literatura urbana de Dhynarte Borba (Um olhar pela cidade e outros olhares); a poesia de Eduardo Dall’Alba.

25 DE SETEMBRO: Na trilha do Assassino da Princesa – Pedro Guerra;
a Caxias Isabella de Luiz Carlos Ponzi e os Contos de Maikel de Abreu.



[1] Turismólogo e Pesquisador Cultural. http://lattes.cnpq.br/3774936945702244 | ernaniviana@gmail.com | (54) 9 8120 – 8496
[2] “Turismo Cultural compreende as atividades turísticas relacionadas à vivência do conjunto de elementos significativos do patrimônio histórico e cultural e dos eventos culturais, valorizando e promovendo os bens materiais e imateriais da cultura.” BRASIL, Ministério do Turismo. Segmentação do Turismo: Marcos Conceituais. Brasília: Ministério do Turismo, 2006.
[3] BARRETTO, Margarita, (2007): Turismo y Cultura. Relaciones, contradiciones y expectativas. El Sauzal (Tenerife-España)
[4] “O peregrino literário é uma figura com origens no Grand Tour (Urry, 2002 [1990]: 11), cuja designação se aplica a alguém que, movido por uma profunda admiração por um “autor-Deus” (Barthes, 1977: 146), percorre voluntariamente longas distâncias com o principal objetivo de experimentar, em primeira mão, uma comunhão com o autor que admira, de ver o que ele viu, sentir o que ele sentiu, estar onde viveu, onde escreveu, onde morreu, onde foi sepultado, sentar-se onde o autor se sentou, observar e tocar os seus objetos.” QUINTERO, Silvia. BALERO Rita. Uma personagem à procura da literatura: A ficção literária e a prática turística. In Dos Algarves: A Multidisciplinary e- Journal no. 24 – 2014
[5] YUDICE, George. A Conveniência da Cultura – usos da cultura na era global. Trad.: Marie-Anne Kremer. Belo Horizonte, UFMG, 2004
[6] SIMÕES, Maria de Lourdes Netto. De Leitor a turista na Ilhéus de Jorge Amado. In: Revista Brasileira de Literatura Comparada, Rio de Janeiro: Abralic, 2002


segunda-feira, 3 de julho de 2017

INRC do Caboclinho




Caboclinho 7 Flechas - Festa da Lavadeira 2009 - Praia do Paiva, Cabo de Santo Agostinho - PE, Brasil. Por Ernani Viana Neto

Leonardo Leal Esteves
PPGA – UFPE/Pernambuco

Trabalho apresentado na 29ª. Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 03 e

06 de agosto de 2014, Natal/RN.

REVISTA CONTINENTE

sábado, 3 de junho de 2017

II ARRAIÁ BAQUE DOS BUGRES


II ARRAIÁ BAQUE DOS BUGRES

O Maracatu Baque dos Bugres produz em Caxias do Sul, pelo segundo ano consecutivo, seu Arraiá. Inspirado no tradicional festejo junino do Nordeste, este que é uma das expressões mais marcantes do nosso Brasil Profundo, a Serra Gaúcha terá a festa, o brilho e a alegria de uma noite de São João mais uma vez.
Nesta edição homenagearemos os escultores que fazem do barro a representação da vida, dos costumes, das funções laborais e artísticas da gente nordestina que espalhou pelo país seu sotaque carregado, sua força de vontade e sua forma de festejar.
Venha festejar conosco essa noite linda de viver!

FICHA TÉCNICA

QUADRILHA DE LÁ PRA CÁ
Coordenação e Coreografia: Vanessa Carraro e Tonico de Ogum.

LICURI SAMBA DE COCO
Bruno Ortiz, Samir Tuffy, Marielle Costa, Cris Schimitz, Eduardo Cordeiro e João Viegas.

MARACATU BAQUE DOS BUGRES
João Viegas: Regência
Alexandre Scopel: gonguê
Monique Rocco: agbe e mineiro
Renata Pontalti: agbe e mineiro
Maysa Stedile: agbe e mineiro
Tina Andrigheti: mineiro
Ernani Viana Neto: mineiro
Pepe Pessoa: mineiro
Cris Schmitz: atabaque e mineiro
Cris Betta: caixa
Bruno Ortiz: caixa
Marcelinho Silva: caixa e atabaque
Dinarte Paz: caixa
Tonico de Ogum: atabaque e caixa
Samir Tuffy: alfaia
Marcus Comandulli: alfaia
Haike Beck: alfaia
Jeison Ariotti: alfaia
Angela Pimentel: alfaia
Marielle Costa: alfaia

CATIRINAS
Coordenação: Vanessa Carraro Armiliato
Pâmela Cervelin Grassi
Paula Cervelin Grassi
Danusa Brandão
Francieli Malezan
Roberto Ribeiro
Daiana Severo Fetter
Jéssica Maisner

DJ’s
Jhonny Boaventura e Moises Oliveira

II Arraiá do Baque dos Bugres
ONDE: UAB Cultural - R. Luís Antunes, 80 - Panazzolo
QUANDO: 24 de Junho, Sábado
HORÁRIO: A partir das 19h
INGRESSOS: R$ 10,00
OUTRAS INFORMAÇÕES: (54) 99116 9142 - WhatsApp

Direção de Arte: Samir Tuffy
Release: Ernani Viana Neto
Produção: Pepe Pessoa


Adequado para Crianças

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Narrativas em Movimento - Rumos Itaú Cultural 2015-2016


Fortalecer a visão do alagoano sobre sua terra e sua riqueza cultural é o principal objetivo do projeto Narrativas em Movimento, do Grupo Núcleo Zero – um dos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2015-2016. A ação, que teve início no dia 10 de novembro de 2016, foi realizada a partir de um veículo adaptado com um pequeno estúdio audiovisual que projetara as narrativas do povo em espaços públicos e prédios históricos.

O documentarista Werner Salles, um dos integrantes da equipe, destaca que Alagoas é um dos estados do país que mais abrigaram episódios históricos importantes, mas que a população não os reconheceu como patrimônio nem desenvolveu um sentimento de pertencimento a uma cultura expressiva. “Tal processo tem efeitos diversos, influenciando, entre outros aspectos, a relação da população com os espaços urbanos e a arquitetura”, diz. “Nessas cidades que visitaremos, muitos moradores não compreendem a necessidade de preservar o patrimônio arquitetônico, muitas vezes perdendo a chance de explorar comercialmente o potencial turístico que uma cidade histórica costuma possuir.”

Fonte: Itaú Cultural 

sexta-feira, 19 de maio de 2017

CLACSO - Antologías del pensamiento social latinoamericano y caribeño


“La colección Antologías del Pensamiento Social Latinoamericano y Caribeño es un emprendimiento editorial de CLACSO destinado a promover el acceso a la obra de algunos de los más destacados autores de las ciencias sociales de América Latina y el Caribe.
En su primera etapa, la colección constará de 50 títulos, entre volúmenes individuales y compilaciones, reuniendo el aporte de más de 350 autores y autoras de diversos campos disciplinarios, países y perspectivas teóricas.
Se trata de una iniciativa editorial sin precedentes por su magnitud y alcance. Todas las obras estarán en acceso abierto y podrán ser descargadas gratuitamente en la Librería Latinoamericana y Caribeña de Ciencias Sociales y en la Biblioteca Virtual de CLACSO, democratizando una producción académica fundamental que, con el paso del tiempo y debido a las limitadas formas de distribución editorial en nuestra región, tiende a ser desconocida o inaccesible, especialmente para los más jóvenes.
Además de su versión digital, la colección Antologías del Pensamiento Social Latinoamericano y Caribeño será publicada también en versión impresa. Como CLACSO siempre lo ha hecho, reconocemos la importancia del libro como uno de los medios fundamentales para la difusión del conocimiento académico. Particularmente, enfatizamos la importancia de que ciertos libros de referencia, como los que constituyen esta colección, formen parte de nuestras bibliotecas universitarias y públicas, ampliando las oportunidades de acceso a la producción académica rigurosa, crítica y comprometida que se ha multiplicado a lo largo del último siglo por todos los países de América Latina y el Caribe.
Poniendo a disposición de todos el principal acervo intelectual del continente, CLACSO amplía su compromiso con la lucha por hacer del conocimiento un bien común, y con la promoción del pensamiento crítico como un aporte para hacer de las nuestras, sociedades más justas y democráticas.”

Pablo Gentili

Director de la Colección

Para descarregar clique aqui

segunda-feira, 24 de abril de 2017

A descoberta da Amazônia pelos Turcos Encantados (2005) - Documentário


Despertou-me a curiosidade em saber qual livro seria este que o Mestre Walter, da Nação do Maracatu Estrela Brilhante do Recife, se refere no trecho da música “Cantigas de Encantaria” do trabalho PontoBR que segue logo abaixo. “O meu pai me deu um livro/ Que eu estudava noite e dia/ Pra mim saber o segredo/ Das três virgens da Turquia”  Sabendo de antemão que a religiosidade oriunda dos nativos indígenas e dos negros escravizados não possui uma codificação litúrgica escrita, procurei por tal referência. O que achei foi o documentário “A descoberta da Amazônia pelos Turcos Encantados”, de 2005, que me revelou todo o imaginário dos "Encantados" do norte do Brasil que se oriunda da luta entre Templários, Muçulmanos, Índios, escravizados e dos Sebastianos que aqui chegaram e se irmanaram de forma mágica. Mas uma história contada, vivida e cultuada em nossa brasilidade. Confira já!




A Descoberta da Amazônia pelos Turcos Encantados é um documentário que registra / recria o universo místico do Tambor de Mina, a mais poderosa religião afro-indígena da Amazônia. Segundo reza a tradição Mina, a Família Imperial Turca, desalojada da Terra Santa pela Primeira Cruzada, embarcou para a Mauritânia em busca de refúgio. Porém, na altura do Estreito de Gibraltar, atravessaram um Portal da Encantaria e se transportaram para uma outra dimensão do tempo e espaço, onde não existe morte, envelhecimento, dor, nem ódio: a Terra da Encantaria. Quatrocentos anos depois, os turcos liberados por suas princesas reapareceriam no litoral paraense começando um trajeto por onde cruzariam com várias famílias da Encantaria, desde os clãs indígenas, comandados por Velho Caboclo, até os nobres encantados de D. Sebastião e mais os orixás africanos, desembarcados nas costas do Grão-Pará e Maranhão em meados dos séculos XVII, acompanhando os primeiros escravos negros que por aqui desembarcaram.

A saga do Turcos Encantados é recriada através do narrador Baba Luiz Tayendó, sacerdote do Terreiro Toy Lissá, dos depoimentos e cantos de muitos outros pais, mães, filhos e filhas de santo, e de encenações com atores não profissionais, escolhidos entre os integrantes de diversos terreiros Mina, comunidades quilombolas e bairros pobres de Belém.

Fonte: Filmow

Bônus Tracks:

A Barca - Baião de Princesas - Casa Fanti Ashanti (2002)


01 - 00:00 "Minha Gente Venha Ver"
02 - 
01:43 "Mestre Reis dos Mestres Chegou"
03 - 
05:13 "A Sala Tá Cheia"
04 - 
08:22 "Tapuia Jacarandá"
05 - 
11:32 "Balão de Ouro"
06 - 
14:55 "Amor com Guerreiro"
07 - 
17:29 "Dindinha Luzia"
08 - 
18:39 "No Terreiro de Vovó Luzia"
09 - 
20:32 "Tapindaré"
10 - 
23:09 "Alumiou"
11 - 
25:45 "Eu Só Vim Aqui"
12 - 
28:34 "Tombador"
13 - 
31:15 "Ana Mora na Cacimba"
14 - 
36:37 "Vassourá"
15 - 
37:46 "Cranguejinho"
16 - 
40:19 "Jurarazinho"
17 - 
42:06 "Guará Mirim"
18 - 
43:57 "Periquitinho"
19 - 
45:37 "Lá Na Aldeia"
20 - 
48:37 "Eu Sou Bem Pequenininha"
21 - 
50:40 "A Mamãe Tá Chorando"
22 - 
53:54 "Menina da Gameleira"
23 - 
56:17 "Flor Jurema"
24 - 
59:13 "Chica Nana Painana"
25 - 
1:01:15 "Camida de Renda"
26 - 
1:03:36 "O Tempo Foi o Meu Mestre"
27 - 
1:06:00 "No Mar Ele é Um Peixe"
28 - 
1:08:36 "O Baião Já Vai Fechar"